#Livro: O diário de Anne Frank; Otto Frank e Mirjam Pressler

segunda-feira, abril 11, 2016



"12 de junho de 1942 - 1º de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente seguiu para Auschwitz, e mais tarde para Bergen-Belsen. A força da narrativa de Anne, com impressionantes relatos das atrocidades e horrores cometidos contra os judeus, faz deste livro um precioso documento. Seu diário já foi publicado para 67 línguas, e é um dos livros mais lidos do mundo. Ele destaca sentimentos, al=flições e pequenas alegrias de uma vida incomum, a transformação da menina mulher, o despertar do amor, a fé inabalável na religião, e revela a rara nobreza de um espírito amadurecido no sofrimento. Um retrato da menina por trás do mito."




Fazia mais de um ano que O Diário de Anne Frank estava encostado na minha estante e na hora de escolher um livro, eu sempre passava por ele e acabava pegando outro para ler. Coincidência ou não, escolher esse livro para ser a leitura de março foi um dos pontos que fez com que eu melhora-se da bad que estava (amanhã tem vídeo sobre isso).

Qualquer um que conheça a história de Anne, já se apaixona por ela antes mesmo de ler o livro. E comigo não foi diferente e fiquei - ainda - mais encantada com essa meninas. Por causa da sua maturidade, da sua visão de mundo, dos seus sonhos, dos seus medos e pela mensagem que esse livro traz.




Durante o tempo que passou no Anexo Secreto, Kitty (o diário) é uma das formas que Anne encontra de se manter conectada com o mundo lá fora e poder compartilhar seus pensamentos, sem ser julgada.

Seu pai, Otto Frank, é o seu melhor amigo e com quem tem melhor relação dentro do círculo familiar. Já sua mãe e irmã, para Anne são um caso a parte. Anne não sente muito amor pela mãe e ao longo do livro deixa bem explícito o sentimento que sente por ela. Já a relação com a irmã, Margo, é boa, cada uma no seu canto sem se intrometer na vida da outra.

Pra mim, O Diário de Anne Frank mostra como que podemos crescer quando estamos em situações vulneráveis ou quando somos obrigados a fazer algo para nos proteger. Também aprendi que devemos saber tirar coisas boas de tudo que nos rodeia e que não devemos estacionar quando as coisas não estão saindo da forma que planejamos.




O Diário de Anna Frank também fala muito de compreensão e amor. Fala se não é de se apaixonar pela Anne. Só acho que deveriam fazer uma versão cinematográfica do filme.


Alguém ai já leu? O que acharam?

Beijos, beijos



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nos conte o que você achou do post, adoramos receber elogios, críticas construtivas e sugestões de temas.